Esperando Nibiru, em serenidade...





Foto tirada pela Noemia, em 25/12/2017, por volta das 13h30.



FOTO - 1



FOTO - 2



FOTO - 3

( Fotos 1, 2 e 3 tiradas por Edmundo Dantes Pacheco, em 09/02/2018 )



FOTO - 4



 FOTO - 5


( Fotos 4 e 5 tiradas por Edmundo Dantes Pacheco, em 10/03/2018 )


 
 FOTO - 6



 FOTO - 7


( Fotos 6 e 7 tiradas por Edmundo Dantes Pacheco, em 12/03/2018 )



 

VÍDEO - 1 

( Por: Noemia, em 17/02/2018 )



VÍDEO - 2

( Por: Antonio G Neto, em 01/03/2018 )



VÍDEO - 3

( Por: Antonio G Neto, em 03/03/2018 )


 

VÍDEO - 4

( Por: Edmundo Dantes Pacheco, em 10/03/2018 )


 

VÍDEO - 5

( Por: Edmundo Dantes Pacheco, em 12/03/2018 )


Comentários Independentes - Continuação - 3 ... (Postagem Especial - 35)

 

É possível que alguns leitores deste blog tenham algo que gostariam de comentar (ou dizer), mas que não se encontra exatamente vinculado a determinada mensagem dos intervenientes ou em relação a alguma destas postagens ditas especiais, ou em relação a algum dos índices publicados. Este algo a ser comentado pode ser, por exemplo, fruto de uma vivência, de um sonho, de uma reflexão, de um insight, de uma inspiração; e também pode ser uma cópia de pequeno texto, cujo ensinamento seja extraordinário; e também pode ser considerações sobre um vídeo (constar apenas o link), cujo conteúdo reforce a iminência dos eventos ascensionais.

Então, caso se manifeste algo assim, para quaisquer dos visitantes do Últimas Leituras da Luz, onde tenha surgido este interesse de fazer um comentário próprio, sem vínculo a determinada publicação, é só comentar nesta Postagem Especial - 35 (Comentários Independentes - Continuação).

Vale ressaltar que este comentário independente não deve ter conteúdo apologético de personalidade, exceto se for no sentido de transcendê-la.  Também considerar que este espaço de comentários não é configurado para comportar recursos de multimídia, tais como ativações de links e inserções de gráficos, por exemplo (salvo exceções).

 

 IMAGEM 1



FOTO - 1



FOTO - 2


FOTO - 3

FOTO - 4

 (Foto tirada pela Noemia, em 15/03/2018, às 22:00)

 

 FOTO - 5

FOTO - 6

 (Fotos 5 e 6 tiradas pela Maria Cristina, em 24/03/2018, às 7:00h)

 

 FOTO -7

(Foto 7 tirada pela Maria Cristina, em 09/04/2018, às 18:00h)

 

BIDI - Parte 10 - Fevereiro 2018





Ora bem, aqui está Bidi, outra vez convosco, para a décima sessão. Passo a ouvir, então.

Pergunta: No meu desejo de libertação interior, sinto-me acorrentado à estrutura duma comunidade de vida de que sou actualmente responsável. A questão é: devo retirar-me da estrutura, da responsabilidade em relação a ela ou encontrar a liberdade interior em mim, sejam quais forem as condições de vida?

Pois muito bem, não contes comigo para te dizer o que escolher. Mas coloca-te realmente a questão: será que tens necessidade de fugir a um qualquer ambiente ou cargo para te voltares para o interior? Acreditar que o facto de dispores do tempo todo e de toda a liberdade exterior vai facilitar a liberdade interior, não leva a lado nenhum.

Se a vida te colocou nesse lugar, salvo, naturalmente, se a Luz te pedir - e aí ela pedir-to-á sem equívoco, sem te deixar escolha - , não tens de mudar o que quer que seja para te encontrares. Tu é que vês, tu é que decides, mas não existe nenhum obstáculo, nenhum estado de saúde, nenhuma idade que seja realmente um obstáculo. O único obstáculo, como é sabido, é acreditar  que és esse   corpo e essa mente. Sair disso não significa abandonar o que se faz na vida. O que é preciso é olhar para o interior, sobretudo nesta altura. Nada mais é preciso.

Eu até diria que é o contrário. Retirar-se da vida, da ilusão da vida, na esperança de encontrar a Verdade numa gruta, não serve de nada. Só vos afasta desse desígnio. A não ser no caso de certos seres a quem a Luz deu essa ordem. Nenhum peso do mundo pode afectar o que sois. Posto isto, o resto são pretextos.

Diz-se que não se tem tempo, que o marido ou qualquer outra pessoa nos rouba a energia, a consciência. Mas essa Reversão Interior, do exterior para o interior, sem ver sequer que não há nem exterior nem interior, apenas precisa de vos fazer voltar para dentro. Tudo o resto daí decorre. Mas não há que que estabelecer condições prévias, pré-requisitos, para esperar encontrar quem sois. O peso é sentido pela pessoa, não pelo observador, pelo “Eu Sou” ou pelo Absoluto.

Acreditar hoje que é preciso compreender o que quer que seja, que é necessário estudar o que quer que seja, não será da mínima utilidade para que vos encontreis. Já cá estais; o que é que ainda vos falta? Isso são pretextos. Estais onde estais, mas o que sois é independente de onde estais.

Já o afirmei: não existe condição prévia ou pré-requisito, é impossível. Senão, estais a uma certa distância, almejais um fim longínquo e pensais que é preciso transformar o exterior para ficardes disponíveis para o interior. Não é assim que as coisas funcionam. Podeis voltar-vos para o interior, independentemente do que estiver a ser feito, independentemente das actividades em curso. Houve inúmeros estudiosos que se isolaram, que meditaram, que oraram durante anos, dezenas de anos, dezenas de vidas: não avançaram nenhum milímetro, não se encontraram.

Enquanto a vossa atenção, a vossa consciência, mesmo efémera, pensar, acreditar que precisa dum enquadramento, tal não foi nem será conseguido. O mecanismo desta intimidade, deste a sós consigo próprio, deste frente-a-frente não depende de nenhuma circunstância do corpo, deste mundo. Dantes, havia as crenças que podiam proteger-vos. Mas agora, já nem isso. É no interior que as coisas se passam. Durante todos estes anos os Anciãos vo-lo explicaram. Tudo aquilo que é pesado no exterior não deve mover-vos. Não é isso que incomoda; não é isso que bloqueia e que impede o que quer que seja. A vossa disposição mental é: acredita-se que, logo, isso realiza-se; não é possível quando não se é livre, exteriormente. Mas isso é falso. São estratégias do ego, da pessoa. Tanto mais que, neste caso, se bem entendi, o que está em causa é uma comunidade, não é?

...É.

Tanto dá. E pelo contrário: se falas duma comunidade de que te ocupas, ora bem, qualquer que seja o peso, esforça-te, mesmo na relação exterior, para ultrapassar todo o exterior, começando por evocar o facto de falar de consciência a consciência e não de pessoa a pessoa.

Basta sentir, captar, neste momento, a partir da Ressurreição, uns átomos desta Evidência, para que a Derradeira Reversão seja posta em marcha e que tudo mude. É tudo. E isso pode ser feito num instante, dum fôlego.

Sobretudo no que respeita àqueles que procuraram, procuraram e voltaram a procurar, desde tempos imemoriais, fora deles, justificando-se com o que tinham visto neste mundo, com o que tinham estudado neste mundo. Mas é sabido que todo o conhecimento deste mundo não passa de ignorância. O verdadeiro conhecimento não está no exterior, está dentro. E enquanto a consciência não se interessar com o que está dentro e procurar encontrar circunstâncias exteriores, não se pode ser livre.

Mas já agora, na forma como formulas a pergunta, tens a resposta. Basta que te releias. Mas não contes comigo para te dizer que faças isto ou aquilo. Digo-te apenas que não precisas de ficar tranquilo exteriormente: a tranquilidade, em si, é interior. E pode-se estar afogado em actividades, em obrigações, sem por isso deixar de estar igualmente disponível para o que se é. Digo-vos isto: trata-se dum álibi, um pretexto, e nada mais.

… Silêncio…

Bom, alguém aqui quer partilhar, questionar, testemunhar?

...Não há mais perguntas escritas.

… Silêncio…

…Não aparecem perguntas.

Seja como for, todas as respostas estão dadas, pela vossa Presença.

… Silêncio…

Mesmo este Silêncio é Evidência.

… Silêncio…

Então, esgotaram-se todas as questões, todas as interrogações, todos os testemunhos?

... Aparentemente, sim.

Bom, se for preferível ficar em silêncio, fiquemos!

...Certo, toda a gente está de acordo.

Nesse caso, ficamos em Silêncio. Uma vaga de Luz - e não se trata de mim – deverá chegar dentro de dois, três minutos. E nesse momento, juntar-me-ei a vós, nessa fusão em Eternidade. Vamos sincronizarmos-nos com o que vai chegar, pela cabeça ou pelos pés, conforme o caso.

… Silêncio…

Muito bem, BIDI junta-se à injunção da Luz em cada um de vós.

… Silêncio…

Sentis esta densidade do Silêncio e da Evidência?

...Sentimos, sim.

… Silêncio…

...Por mim, ia dizer que,  quando a vaga chega, ouço qualquer coisa como o rolar de grandes pedras ou como o som da trovoada, ao longe. 

É mais um zumbido.

...Sim, é.

É normal, não é o som cristalino. Mas nas primeiras etapas em que - como dizer? - o complexo corpo-mente solta a pressão sobre o Si, há, tal como acontece nas saídas do corpo, esse zumbido. Mas isso rapidamente se vai tornar mais perfeito.

...Obrigada.

… Silêncio…

Não há mais nada para perguntar? Para dizer?

... Não.

Então, terminaremos esta sessão no Silêncio e na Evidência do Amor, da Sabedoria, da Verdade.

… Silêncio…

Assim sendo, BIDI vai agora retirar-se, mas vós, vós ficais aí. Porque, como a injunção da Luz está a acabar, também eu vos vou deixar a sós e vereis que tendes a mesma intensidade, a mesma qualidade de Silêncio, de Evidência.

Antes de mais, ficai calados.

BIDI saúda-vos. E diz-vos - como é que dizem os Anciãos? - “Até sempre”.

E ficai assim; ides ver...


***

Tradução do Francês: Maria Teresa Santos



PDF (Link para download) : bidi - Parte 10 - Fevereiro 2018